Por que a África está sendo poupada na pandemia?

Uma mistura de características socioeconômicas, em combinação com menor densidade populacional, menor mobilidade, clima quente e úmido e idade mais jovem da população (60% têm menos de 25 anos de idade) são fatores que podem estar por trás da explicação.

74

No início da pandemia, em meados de marco 2020, eu estava na África (Tanzânia, Zanzibar e Quênia) de férias. Tive que enfrentar um retorno muito complicado, devido ao fechamento das fronteiras africanas com outros países. Eu, assim como várias outras pessoas, imaginava que a pandemia do novo coronavírus iria assolar o território africano. Não era algo tão improvável devido à falta de assistência em saúde, a escassez e profissionais e as limitações relacionadas à infraestrutura e à vigilância epidemiológica.

Mas, ao contrário do esperado, a África não apareceu nas manchetes catastróficas características desta pandemia.

O que está acontecendo por lá?

Será que eles souberam enfrentar a pandemia com barreiras eficazes, com isolamento sócio geográfico? Será que não estão relatando a realidade dos fatos?

Estudando o assunto e usando a África do Sul como exemplo, por ser um país melhor estruturado que a média dos países africanos, vemos várias hipóteses. Será que a população jovem, menor densidade populacional, clima quente e úmido poderia explicar os bons números da Covid no continente africano?

Uma mistura de características socioeconômicas, em combinação com menor densidade populacional, menor mobilidade, clima quente e úmido e idade mais jovem da população (60% têm menos de 25 anos de idade) são fatores que podem estar por trás da explicação. A título de comparação, a média de idade na Espanha é de 45 anos, e a do Quênia e Malawi, 18 e 20 anos, respectivamente.

Em relação aos números, a população no continente africano é 4 vezes maior que a população dos Estados Unidos. No entanto, o número relatado de pessoas que foram confirmadas com Covid-19 na África foi 5 vezes menor que nos EUA. Na África, foram cerca de 1,5 milhão de casos e aproximadamente 35.000 mortes. Nos EUA, foram mais de 7 milhões de infectados e 200.000 mortes.

Na minha opinião as medidas de saúde pública adotadas precocemente, com isolamento territorial dos países foi o principal fator. Quando eu caminhava pelos lugares longínquos no interior de Zanzibar, as crianças nos avistavam, e saíam correndo gritando: “Corona, Corona”. É uma cena dura para um visitante estrangeiro, porém totalmente justificada e importante para a proteção deles.

Além disso, precisamos lembrar que doenças como a obesidade e o diabetes são muito menos frequentes na população africana. Outro aspecto a ser considerado é a imunidade cruzada, previamente adquirida pelo contato com outro coronavírus. Soma-se a isso mais alguns elementos como a menor possibilidade de viagens, viver fora de casa, em ambientes abertos e ventilados, e a experiência prévia com outras pandemias. Ou seja, tudo junto poderia explicar o cenário por lá.

Baixa testagem é um fator preocupante

Há ainda que se refletir sobre a quantidade de testes aos quais a população foi submetida. A testagem baixa e heterogênea pelos países africanos pode ter impactado os baixos números documentados. Só para termos uma referência, na África do Sul, em outubro 2020 realizaram-se 74 testes a cada 1000 pessoas, Nigéria 2,7/1000 comparado ao Reino Unido e EUA 349/1000 e 381/1000 pessoas, respectivamente.

Dados sobre imunidade populacional nos deixam mais intrigados ainda. Estudo publicado com dados do Quênia mostra que 1 a cada 20 quenianos já apresentam anticorpos contra o novo coronavírus. Ou seja, estão imunes. Mas como? Será infecção passada?

Outro estudo feito em Malawi chega a números que de 500 profissionais da saúde assintomáticos, 12,3% testaram positivo, sendo que neste local houve somente 17 mortes registradas por Covid, um número 8 vezes menor que o esperado.

Em Moçambique, em uma localidade com 750.000 habitantes, estima-se que de 3% a 10 % da população testou positivo, mas no registro oficial constam apenas 300 casos e somente 16 mortes confirmadas pela Covid-19.

Como explicar este gap entre a presença de anticorpos e o número oficial de mortes?

Será que a média de idade jovem é o fator principal?

Será que infecção prévia por outros coronavírus, causadores de resfriado comum, poderiam conferir proteção cruzada?

Será que a exposição frequente a outros agentes infecciosos, como malária, poderia fazer um tipo de preparação do sistema imunológico para enfrentar outros patógenos novos? Serão fatores genéticos?

Nos últimos dias, a OMS tem relatado um substancial aumento do número de mortes relacionadas à Covid-19 na África, com aumento em 14% em relação a semanas prévias.

O fato é que temos ainda muitos mistérios a serem desvendados mas, inicialmente, fico feliz em saber que, apesar de todo o dano deixado pela pandemia até o momento, povos menos favorecidos economicamente como a população africana, estão apresentando “defesas alternativas” merecedoras de profunda reflexão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui