A nova psiquiatria: aumento da demanda por saúde mental exige profissionais mais capacitados e trabalho multidisciplinar

A nova psiquiatria: aumento da demanda por saúde mental exige profissionais mais capacitados e trabalho multidisciplinar

Com o aumento de casos de transtornos mentais  no mundo […]

Conteúdo oferecido por

By Published On: 19/04/2023
Nova psiquiatria exige capacitação e trabalho multidisciplinar

Com o aumento de casos de transtornos mentais  no mundo e no Brasil – dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 86% dos brasileiros sofrem com condições como ansiedade e depressão –, cresceu também a procura por especialistas para lidar com esses pacientes. Em conjunto com essa demanda veio também a exigência por profissionais ainda mais capacitados e com foco no trabalho multidisciplinar, o que tem configurado um novo perfil da psiquiatria.

De acordo com Marcelo Feijó de Mello, psiquiatra e professor da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein, “o estigma que envolve a psiquiatria diminuiu muito. Existe um trabalho de disseminação de informações sendo feito há bastante tempo e na pandemia isso ficou evidente. Hoje, o preconceito com a procura por esse tipo de especialista está bem menor e já se tem a noção de que a saúde mental é uma parte da saúde como um todo. Os próprios psiquiatras têm sido mais reconhecidos e não trabalham mais sozinhos, como antes. É uma nova era, certamente, para a especialidade”.

Essa transformação chega em um momento em que o cenário é devastador. “No Hospital Mboi Mirim, na zona sul da São Paulo, que é administrado pelo Einstein, temos visto um crescimento grande de casos de ansiedade e depressão e de uso de novas drogas, por exemplo, e em todas as classes sociais, que culmina também em mais transtornos mentais. A área de psiquiatria passou a ser de muito interesse para o Ministério da Saúde exatamente porque tem muita demanda e poucos profissionais”.

Para se ter ideia, de acordo com o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), o total de mortes no país por lesões autoprovocadas dobrou nos últimos 20 anos – passando de 7 mil para 14 mil. E o número de psiquiatras não chega nem a esse total: são 13.888 especialistas, segundo o último estudo da Demografia Médica no Brasil, feito pela Associação Médica Brasileira (AMB).

Residência em psiquiatria

Não à toa, as residências em psiquiatria são, hoje, umas das mais competitivas do setor e o profissional que escolhe essa especialidade precisa se preparar para um cenário na saúde mais desafiador. Marcelo Feijó de Mello ressalta que a especialidade sempre contou com poucas vagas e muita procura, mas que a tendência é que o interesse por essa área aumente cada vez mais.

No começo do ano, o Ensino Einstein, que já conta com residência em especialidades como cardiologia, oncologia, ginecologia e mais, montou sua primeira turma de residentes nessa especialidade – um projeto que vinha sendo construído há três anos. E assim que foi aprovada a modalidade, ainda sem a quantidade de vagas disponibilizada – que hoje são apenas quatro –, a instituição já contava com mais de 85 candidaturas.

“Nem todo mundo sabe ou pensa nisso, mas o mais interessante sobre a residência em psiquiatria é que os médicos que fazem a especialização têm, obrigatoriamente, que ser muito bons profissionais. Eles precisam ter uma boa formação e ser muito capacitados apenas para passar nas vagas de residência. Então estamos sempre falando de profissionais de excelência”, aponta o psiquiatra.

Para seguir esse padrão de qualidade, o Einstein montou um currículo que foi além dos requisitos mínimos do Ministério da Educação (MEC), que inclui a prática clínica em diferentes cenários sempre com supervisão. Segundo Feijó, a instituição fez um minucioso levantamento com serviços de psiquiatria, incluindo os próprios, para preparar os profissionais da melhor forma possível para que possam atuar nas mais diferentes áreas de demanda:

“Nós temos um diferencial que é a nossa conexão com o Sistema Único de Saúde (SUS). O Einstein administra Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), Unidades Básicas de Saúde (UBS), Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), residências terapêuticas, hospitais municipais e hospitais privados. São vivências diferentes, às vezes em locais de grande movimento, com casos complicados e em regiões de vulnerabilidade social. E em todos esses locais há um grande aprendizado”.

Os três anos de programa de residência têm também como foco o trabalho multidisciplinar, seja por meio de contato com outras especialidades nas emergências dos hospitais, ou no trabalho com as equipes de saúde mental de centros de atendimento em saúde primária e na rede de atenção psicossocial (RAPS).

“Dentro de um hospital geral, os psiquiatras precisam navegar entre as especialidades para ajudar a criar um plano de tratamento. E nas UBS ou CAPS, eles não trabalham sozinhos, mas em sintonia com psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros e terapeutas ocupacionais, que discutem os casos sempre em equipe. Essa é uma característica importante na residência, porque os psiquiatras não trabalham mais isolados em seus consultórios, essa época ficou para trás. A nova cara da profissão é essa”.

O futuro dos tratamentos em psiquiatria

Assim como a demanda dos pacientes, os tratamentos em psiquiatria também mudaram nos últimos 20 anos, de acordo com Marcelo Feijó de Mello. Além do desenvolvimento de novas medicações, de efeitos mais rápidos e com menos reações adversas, existem, hoje, psicoterapias mais pontuais para cuidar de quadros específicos.

“Os anos 1990 foram considerados a década do cérebro. Muitas novas pesquisas surgiram, tendo como resultado intervenções específicas, como neuromodulações, estimulações eletromagnéticas e, mais recentemente, o uso – ainda experimental – de substâncias psicodélicas para casos como o transtorno de estresse pós-traumático (TSPT), sem contar o canabidiol (CDB) e a cetamina, que têm tido bons resultados. Se for comparar com o que temos hoje, a psiquiatria é um campo completamente diferente do que eu conheci na minha formação, por exemplo. E nossos residentes vão estar aptos a participar desse mercado atual de trabalho”.

E, para acompanhar essas evoluções e contribuir para avanços ainda mais significativos na área, também as pesquisas devem fazer parte dessa formação. “Nós incentivamos os residentes a se envolver nessa área também. Dentro do Einstein, temos um aparato de nível internacional, no ​​Instituto do Cérebro (InCe). Ali, o médico pode fazer a pesquisa que quiser, são muitas as possibilidades e é uma oportunidade única, por isso estamos reforçando a parte de pesquisas também, tanto para esses quatro atuais residentes, quanto para os que devem vir – e quem sabe em um número maior – a partir dos próximos anos”.

Ana Carolina Pereira

Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Ao longo de sua carreira, passou por veículos como TV Globo, Editora Globo, Exame, Veja, Veja Saúde e Superinteressante. Email: ana@futurodasaude.com.br.

About the Author: Ana Carolina Pereira

Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Ao longo de sua carreira, passou por veículos como TV Globo, Editora Globo, Exame, Veja, Veja Saúde e Superinteressante. Email: ana@futurodasaude.com.br.

Leave A Comment

Recebar nossa Newsletter

NATALIA CUMINALE

Sou apaixonada por saúde e por todo o universo que cerca esse tema -- as histórias de pacientes, as descobertas científicas, os desafios para que o acesso à saúde seja possível e sustentável. Ao longo da minha carreira, me especializei em transformar a informação científica em algo acessível para todos. Busco tendências todos os dias -- em cursos internacionais, conversas com especialistas e na vida cotidiana. No Futuro da Saúde, trazemos essas análises e informações aqui no site, na newsletter, com uma curadoria semanal, no podcast, nas nossas redes sociais e com conteúdos no YouTube.

Artigos Relacionados

Ana Carolina Pereira

Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Ao longo de sua carreira, passou por veículos como TV Globo, Editora Globo, Exame, Veja, Veja Saúde e Superinteressante. Email: ana@futurodasaude.com.br.