Comunicação: fundamental para o sucesso da nova política nacional do câncer

Comunicação: fundamental para o sucesso da nova política nacional do câncer

Em meu artigo de dezembro de 2022 para o Futuro […]

By Published On: 22/02/2023
Nova política nacional do câncer

Em meu artigo de dezembro de 2022 para o Futuro da Saúde, escrevi sobre a revolução na oncologia que a nova Política Nacional do Câncer (PNC) representa para o Brasil. Ela foi apresentada naquele mês pela Comissão Especial de Combate ao Câncer, por meio de seu presidente o Deputado Federal Weliton Prado e a relatora, a Deputada Federal Silvia Cristina. A PNC foi desenhada com o objetivo de rever e reverter pontos essenciais que merecem reflexão, propondo alterações e revisões da política de combate à doença no Brasil, dando ênfase às soluções mais equilibradas, acessíveis e coerentes para que o paciente oncológico seja positivamente impactado.

Hoje, trago outra importante reflexão: para que a revolução efetivamente aconteça, é essencial a implementação de um amplo e estruturado plano de ações de comunicação. Somente e unicamente com informação qualificada e fortemente disseminada a PNC terá sucesso.

Quando falo em estruturar um plano de comunicação, não me refiro somente à conscientização da população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer; orientações sobre os principais fatores de risco; os sintomas e sinais de alerta; a relevância dos exames preventivos; quais os tratamentos disponíveis, seja para os pacientes atendidos pelo SUS (Sistema Único de Saúde) ou pela saúde suplementar; além das orientações sobre a reabilitação, que tem sido negligenciada como vimos recentemente casos de mulheres que esperam há sete anos por uma cirurgia de reconstrução das mamas, fundamental para a recuperação da autoestima e da dignidade.

Faz-se necessário, também, a disponibilização de programas de educação e capacitação para profissionais de saúde; o engajamento de membros do Parlamento para apoio aos Projetos de Lei que beneficiem o paciente oncológico e vontade política para que gestores públicos fortaleçam o que vai bem e reestruturem o que não funciona. Ainda e fundamentalmente, que tenhamos disponíveis e amplamente divulgados dados fidedignos sobre o cenário do câncer no Brasil, pois vivemos no escuro com a subnotificação dos números da doença e duplicidade de prontuários devido à locomoção de pacientes entre centros de referência, somente para citar dois exemplos.

A comunicação contribuirá também para desmistificar o câncer e reduzir o estigma e o medo associados à doença. Muitas pessoas ainda acreditam que o câncer é uma sentença de morte e que não há cura ou tratamento eficaz, o que pode levar à falta de adesão aos programas de prevenção primária e secundária e ao tratamento. A informação adequada possibilita esclarecer esses mitos e mostra que o câncer pode ser tratado com sucesso em muitos casos, desde que detectado precocemente.

A comunicação sempre foi para mim e para a organização que fundei e presido, o Instituto Lado a Lado pela Vida, o cerne do sucesso de nossas ações, como é o caso do Novembro Azul, criado por nós e que graças à comunicação estruturada e constante tornou-se domínio público e é a maior campanha em prol da saúde do homem no Brasil.

Não podemos esquecer que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2030 as doenças oncológicas serão a primeira causa de morte no planeta e é fato que o Brasil seguirá essa tendência estatística. Aliás, já caminha nesse sentido, pois temos hoje em nosso país cidades em que o câncer já mata mais do que as doenças cardiovasculares, até então as campeãs em letalidade.

Sendo assim, reforço que somente comunicando conseguiremos que a nova Política Nacional do Câncer saia do papel e alcance sua meta de reduzir significativamente a incidência e a mortalidade pela doença, bem como para a melhoria da qualidade de vida das pessoas afetadas pelo câncer, que efetivamente não é mais uma sentença de morte, mas uma doença crônica controlável e, em inúmeros casos, curável.

Marlene Oliveira

Formada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) e em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes. É Empreendedora Social e Presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida, organização que dedica esforços para nutrir a população brasileira com informações qualificadas e oferecer orientação sobre as políticas públicas de saúde. Para o Triênio 2019 – 2021, Marlene Oliveira é também Conselheira no Conselho Nacional de Saúde (CNS). É a idealizadora da Campanha Novembro Azul, movimento que ao longo dos anos tornou-se uma ação de domínio público e a maior em prol da saúde do homem no país, e também criadora do Global Forum – Fronteiras da Saúde, evento internacional que discute os desafios e tendências da saúde no Brasil

About the Author: Marlene Oliveira

Formada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) e em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes. É Empreendedora Social e Presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida, organização que dedica esforços para nutrir a população brasileira com informações qualificadas e oferecer orientação sobre as políticas públicas de saúde. Para o Triênio 2019 – 2021, Marlene Oliveira é também Conselheira no Conselho Nacional de Saúde (CNS). É a idealizadora da Campanha Novembro Azul, movimento que ao longo dos anos tornou-se uma ação de domínio público e a maior em prol da saúde do homem no país, e também criadora do Global Forum – Fronteiras da Saúde, evento internacional que discute os desafios e tendências da saúde no Brasil

Leave A Comment

Recebar nossa Newsletter

NATALIA CUMINALE

Sou apaixonada por saúde e por todo o universo que cerca esse tema -- as histórias de pacientes, as descobertas científicas, os desafios para que o acesso à saúde seja possível e sustentável. Ao longo da minha carreira, me especializei em transformar a informação científica em algo acessível para todos. Busco tendências todos os dias -- em cursos internacionais, conversas com especialistas e na vida cotidiana. No Futuro da Saúde, trazemos essas análises e informações aqui no site, na newsletter, com uma curadoria semanal, no podcast, nas nossas redes sociais e com conteúdos no YouTube.

Artigos Relacionados

  • Redação

    Equipe de jornalistas da redação do Futuro da Saúde.

  • Fernando Maluf

    Diretor Associado do Centro Oncológico da Beneficência Portuguesa de São Paulo, membro do Comitê Gestor do Centro de Oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein e fundador do Instituto Vencer o Câncer. É formado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, onde hoje é Livre Docente. Possui Doutorado em Ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e especialização no Programa de Treinamento da Medical Oncology/Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, em New York.

  • Natalia Cuminale

    Sou apaixonada por saúde e por todo o universo que cerca esse tema -- as histórias de pacientes, as descobertas científicas, os desafios para que o acesso à saúde seja possível e sustentável. Ao longo da minha carreira, me especializei em transformar a informação científica em algo acessível para todos. Busco tendências todos os dias -- em cursos internacionais, conversas com especialistas e na vida cotidiana. No Futuro da Saúde, trazemos essas análises e informações aqui no site, com as reportagens, na newsletter, com uma curadoria semanal, e nas nossas redes sociais, com conteúdos no YouTube.

Marlene Oliveira

Formada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) e em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes. É Empreendedora Social e Presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida, organização que dedica esforços para nutrir a população brasileira com informações qualificadas e oferecer orientação sobre as políticas públicas de saúde. Para o Triênio 2019 – 2021, Marlene Oliveira é também Conselheira no Conselho Nacional de Saúde (CNS). É a idealizadora da Campanha Novembro Azul, movimento que ao longo dos anos tornou-se uma ação de domínio público e a maior em prol da saúde do homem no país, e também criadora do Global Forum – Fronteiras da Saúde, evento internacional que discute os desafios e tendências da saúde no Brasil