Modelo estatístico pode ajudar a prever quando doenças irão surgir

Cientistas austríacos desenvolveram um modelo matemático para dizer aos pacientes em que idade uma doença poderia começar a se desenvolver, permitindo cuidados preventivos e minimizando seu impacto a partir do tratamento precoce

34

Um novo modelo matemático de estatística pretende prever quando doenças como hipertensão, diabetes tipo 2 ou problemas cardíacos vão surgir no organismo de cada paciente. A tecnologia foi desenvolvida por cientistas do Instituto de Ciência e Tecnologia da Áustria e detalhes sobre ela foram publicados em artigo da revista Nature Communications.

Pensando na crescente tendência da área da saúde em prevenir doenças, os pesquisadores perceberam que compreender melhor o DNA – e seus marcadores genéticos – pode ajudar nesta tarefa. Combinado com uma abordagem bayesiana (um modelo de cálculo de probabilidade), o recurso atua com base em uma grande quantidade de dados de genes para investigar e estabelecer quando essas doenças poderão surgir.

Basicamente, a nova estratégia seria um complemento para o histórico familiar de doenças, que já é utilizado para deixar o paciente em alerta quanto às enfermidades que ele pode adquirir ao longo da vida. Atualmente, o foco dos médicos é estimular o rastreamento de doenças e o diagnóstico precoce. A proposta é contar com a tecnologia para apontar a idade em que a doença começaria se desenvolver de uma forma mais precisa.

Estudo do método

Para descobrir se era possível realizar uma previsão, os cientistas austríacos aplicaram informações de biobancos como o UK Biobank — um banco de dados genéticos que existe desde 2006 — do Reino Unido e do Estonian Biobank, da Estônia, no método GWAS, que analisa amplamente genes e suas variáveis, até associar a algum traço de doenças crônicas.

Os resultados obtidos com os dados da Estônia indicaram que a abordagem BayesW atua com uma precisão melhor do que os modelos de caixa preta das inteligências artificiais, que também geram previsões através de seu algoritmo, mas com um funcionamento interno de difícil compreensão devido às camadas de abstração que escondem detalhes de algumas funcionalidades. Ou seja, o cálculo de predição desenvolvido pelos pesquisadores deste estudo são rastreáveis.

Além disso, o biobanco do Reino Unido possibilitou encontrar muitas regiões dos genes relacionados à idade em que começam as doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e hipertensão.

Uma das preocupações com o novo recurso é quanto ao direito de segurança e privacidade dos pacientes, pois para conseguir resultados precisos é necessário ter dados de muitas pessoas. No entanto, para a realização de procedimentos como este os cientistas devem obedecer medidas de segurança de dados. A utilização de dados de saúde só pode ser feita mediante aprovação dos comitês de ética de cada biobanco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui