Home Inovação Investimento em saúde digital cresceu 79% em 2021

Investimento em saúde digital cresceu 79% em 2021

Com o aumento dos investimentos no mercado de saúde digital, o setor caminha para a consolidação. Em 2021, cinco empresas brasileiras foram as que mais receberam fundos na América Latina.

               
284

Com os holofotes do mundo na saúde, 2021 demonstrou ter sido um ano promissor para as empresas de saúde digital. A constatação é do relatório anual State of Digital Health, da CB Insights, que indica o financiamento de 57,2 bilhões de dólares no setor durante o último ano.

Além disso, houve um crescimento do setor de pelo menos 20 vezes maior do que o observado na última da década. Ao todo, foram investidos 44 bilhões de dólares em todo o mundo em saúde digital. De acordo com o relatório, trata-se de um cenário “alimentado pela crescente necessidade de fornecer soluções digitais e modelos de entrega aos pacientes durante a pandemia”.

Assim, quando comparado a 2020, houve um aumento de 79% no financiamento de empresas de saúde digital. O ano anterior dobrou os investimentos, visto que foram 154 das chamadas mega-rodadas, em que financiamentos alcançam 100 milhões de dólares ou ultrapassaram esse valor.

Destaques do relatório

  • 85 empresas “unicórnio” —  Esse é o número total de unicórnios de 2021. Só no quarto trimestre, surgiram 13 novos unicórnios de saúde digital – avaliados em US$ 18 bilhões no total. Das oitenta e cinco empresas, quase 77% são dos Estados Unidos e 6 em cada 13 ofertam serviços de telessaúde.
  • 574 acordos de fusões e aquisições —  Com a consolidação do mercado, houve um aumento de 44% dessa categoria de negócios (quando comparado a 2020).
  • 3,4 bilhões de dólares de financiamento para terapias digitais — 122 empresas compõem a lista de beneficiadas pelos aportes. O mercado demonstra interesse neste campo principalmente pela possibilidade de tratar condições crônicas em escala e obter resultados melhores em ensaios clínicos.
  • 139% mais investimentos em saúde mental — Com 68% dos negócios desse ramo ainda em estágio inicial, o relatório sugere que ainda há espaço para conseguir números maiores.
  • 340 milhões de dólares de investimentos na América Latina — 57 empresas ajudaram a compor o valor recorde de financiamentos no continente. Com 72% delas ainda em estágio inicial, o relatório aponta para boas oportunidades para investidores em busca de novos mercados.

O mercado brasileiro de saúde digital

Na avaliação regional do relatório, os Estados Unidos lideram a lista. Foram 397,9 bilhões de dólares obtidos em diversas rodadas — sendo cerca de US$ 11 bilhões somente no quarto trimestre de 2021. Em seguida, análise do trimestre posiciona a Ásia, com US$ 2,8 bilhões e Europa com US$ 1,1 bilhão.

No que se refere ao mercado brasileiro, uma pesquisa da Sling Hub aponta que as 1158 startups de saúde nacionais acabaram 2021 movimentando 1,8 bilhão de reais. No relatório State of Digital Health, o ranking latino-americano de investimentos fornece informações referentes ao quarto trimestre do ano. Das setes elencadas, destacam-se cinco empresas brasileiras:

  • Em 1º a Bionexo, que obteve da Bain Capital investimentos de 81 milhões de dólares de private equity.
  • O ranking coloca a Sami em 2º lugar, ao conseguirem 19 milhões de dólares investimentos na rodada de Serie B. O valor é obtido através da participação de diversos investidores e representa 16.8% dos fundos totais.
  • Em 3º lugar, está a Klivo, com 8 milhões de investimentos obtidos na rodada de Serie A. O que representa 6.9% de seus fundos totais.
  • O 4º pertence a Vitalk, com 4 milhões de dólares obtidos em investimentos de rodada Serie A.
    Os investimentos compõe 3.7% dos fundos totais.
  • Ocupando a 7ª posição, está a SleepUp. Com $0.4 milhões de investimentos, representando 0.3% de seus fundos totais.

Os investimentos de destaque de 2021

A Medicare Advantage, startup de planos de saúde obteve 1,1 bilhão de dólares pela rodada de Série D da Devoted Health e foi avaliada em 12 bilhões de dólares. A VillageMD, empresa provedora de cuidados primários e telessáude, obteve 5 bilhões de dólares da Walgreens Boots Alliance (que foi a líder em participação, em termos de valores).

Destaca-se também a Current Health, cujo trabalho consiste no monitoramento remoto de pacientes. A empresa foi adquirida por US $400 milhões pela Best Buy. O mesmo valor foi visto na aquisição da Lemonaid Health pela 23andMe. O objetivo é reforçar a plataforma da empresa para o acesso remoto para serviços médicos e farmacêuticos.

Em investimentos de Série E, o holofote vai para a Hinge Heath, que obteve 600 milhões de dólares e passou a ter seu valor avaliado em 6 bilhões de dólares. A empresa fornece ferramentas digitais capazes de gerenciar condições musculoesqueléticas (como dores nas costas ou nas articulações).

Para a CB Insights, “à medida que surgem players dominantes neste mercado altamente fragmentado, esperamos ver essa tendência de consolidação continuar”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui