Home Inovação Chris Coburn, CIO do Mass General Brigham: “‘Hospitais em casa’ serão uma...

Chris Coburn, CIO do Mass General Brigham: “‘Hospitais em casa’ serão uma das partes mais importantes da nossa entrega”

O diretor de Inovação fala sobre como o hospital do futuro deve ser e quais as principais tendências para o setor.

               
298
Christopher Coburn, CIO do Mass General Brigham, fala sobre as principais tendências em inovação em saúde.

Entre os dias 17 e 20 de maio aconteceu em São Paulo a Hospitar 2022, a principal feira de saúde do país que recebe cerca de 50 mil pessoas envolvidas com o mercado. O tema da 27ª edição foi “Back to the Basics: Recuperando o fundamental e assimilando a inovação” e trouxe as tendências para o setor, além de mais de 30 eventos que discutiram diversos temas que permeiam a tecnologia em saúde e o futuro do cuidado com o paciente. Chris Coburn, diretor de inovação do Mass General Brigham, um dos principais sistemas de saúde americanos com foco em pesquisa e desenvolvimento, onde investe mais de 2 bilhões de dólares anualmente, esteve presente no evento. Futuro da Saúde conversou com Coburn para entender a visão do Chief Innovation Officer sobre o mercado e os próximos passos em inovação para saúde.

Cerca de 300 empresas foram fundadas no Mass General Brigham e seguiram seus caminhos. É parte do mercado de inovação em serviços de saúde trabalhar com empresas independentes e parceiras?

Chris Coburn Inovação colaborativa é crucial para o avanço de novas tecnologias em benefício aos pacientes. O cenário de healthcare está em constante mudança – novos modelos de cuidado, novos membros, e é preciso envolver o paciente e a comunidade. Nossos negócios estão tratando os pacientes, fazendo pesquisa e ensinando. Nós trabalhamos com indústrias e startups e a função complementar delas é criar, fabricar e vender produtos.

As empresas tradicionais já aprenderam essa lição? O que pode acontecer se elas não entenderem?

Chris Coburn As indústrias confrontam as dinâmicas de um cenário competitivo e estão formando novas alianças ou entrando com sistemas diretos de entrega de saúde – é o caso de companhias como CVS, Uber, Amazon. Essas e outras joint ventures e alianças vão continuar a expandir, junto com novos canais de saúde digital, wearables e terapias inovadoras. A inovação sempre esteve no coração das companhias em crescimento e isso continuará a ser um case no setor de saúde.

O que de mais avançado o Mass General Brigham está pesquisando atualmente?

Chris Coburn Como um dos principais centros de estudos médicos dos Estados Unidos com mais de 2,3 bilhões de dólares em um fundo anual de pesquisa e 1600 pesquisas clínicas em andamento, nossas pesquisas abrangem diversas áreas clínicas e de doenças, junto à inovação digital e melhorias no acesso, cuidado e experiência do paciente. Uma área de rápido avanço e que vem à mente é de Terapia com Genes e Células, que tem potencial de não só tratar, mas mudar completamente o curso da doença, curando ou eliminando de forma integral.

Quando a gente escuta falar sobre inovação em saúde, é comum que leve anos para chegarem ao mercado e, em alguns casos, nunca chegarem efetivamente. Como podemos reduzir esse “gap”?

Chris Coburn As oportunidades de desenvolvimento cooperativo e as colaborações entre as indústrias mencionadas anteriormente são desenvolvidos para ajudar a velocidade de inovações em uso clínico. Além disso, descobertas que reduzem o templo do ciclo de pesquisas, como o uso de inteligência artificial e soluções digitais para a análise de dados, e potenciais mudanças nos requisitos de estudos clínicos, vão ajudar a reduzir esse “gap”. Reduções no tempo dos ciclos também dependem da comunidade de inovação e um largo avanço regulatório, políticas, investimentos e estratégia de retorno.

As empresas e hospitais estão preparados para substituir ferramentas obsoletas ou há uma certa resistência?

Chris Coburn Prestadores de serviços de saúde sempre estão buscando caminhos que melhorem os cuidados com os pacientes, mas cuidadosamente equilibrado com os custos e a acessibilidade. A tecnologia é vista por lentes que observam o impacto geral no paciente e os resultados nos cuidados, ao invés de tecnologia pela tecnologia apenas. A inovação em saúde digital e dados terá um papel cada vez maior na expansão do acesso e na condução de melhorias dos processos.

Como você imagina o hospital do futuro?

Chris Coburn Sistemas de saúde como o Mass General Brigham vão continuar liderando as pesquisas acadêmicas e os tratamentos mais recentes para condições complexas, assim como cuidar da população geral. Sistemas como o nosso vão transformar os cuidados, torná-los mais acessíveis, melhorar os resultados e expandir o alcance regional, nacional e global. Hospitais, de modo geral, vão continuar a expandir o uso digital, incluindo visitas virtuais, aplicativos e ferramentas digitais, e acesso de cuidado à comunidades. Isso é particularmente concreto em áreas como saúde mental, onde a capacidade de modelos tradicionais de atenção é uma questão. Além disso, os “hospitais em casa” vão se tornar uma das partes mais importantes da nossa entrega. Nós temos uma meta específica de quantos “leitos equivalentes” nós podemos criar nos próximos 5 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui