Saúde mental ainda é pouco abordada nas discussões sobre mudanças climáticas

Saúde mental ainda é pouco abordada nas discussões sobre mudanças climáticas

Organizações e cientistas começam a intensificar o estudo sobre os efeitos que a poluição e as mudanças do clima global têm no bem-estar psicológico da população

Conteúdo oferecido por

By Published On: 10/04/2024
Eco-ansiedade - saúde mental com mudanças climáticas - Einstein

Foto: Adobe Stock Image

Os impactos das mudanças climáticas na saúde estão entrando de vez na pauta de governos e instituições. Isso porque a previsão da Organização Mundial de Saúde é de que, entre 2030 e 2050, as alterações no clima causem aproximadamente 250 mil mortes e tragam custos adicionais de até 4 bilhões de dólares todos os anos aos sistemas de saúde a partir do início da próxima década. Dentre os principais pontos de atenção estão as doenças infecciosas – transmitidas por água, alimentos e outros vetores – e doenças respiratórias, mas a entidade já lista a saúde mental (em especial, com o aumento nas taxas de estresse e ansiedade) como um tópico de preocupação. Conceitos como “eco-ansiedade” e “eco-estresse”, portanto, devem se tornar mais frequentes e nortear cada vez mais debates daqui para frente.

Em fevereiro deste ano, por exemplo, a Nature Mental Health publicou um editorial dedicado ao tema e salientou que, embora os termos não definam um transtorno psiquiátrico específico, são usados para descrever respostas emocionais para este novo cenário climático. Intitulado “Saúde mental climática – fazendo conexões”, o texto destaca a necessidade de enfrentar o desafio a partir de uma abordagem multidisciplinar para informar e moldar políticas públicas e iniciativas que possam mitigar os efeitos negativos que as mudanças climáticas têm na saúde mental da população global.

A psiquiatria climática já conta com associações organizadas, como é o caso da Aliança de Psiquiatria Climática, que convida a classe para se informar a respeito da transversalidade entre saúde mental e clima e propõe debates com a sociedade civil. Há também o grupo de geopsiquiatria da Associação Mundial de Psiquiatria (WPS, na sigla em inglês), que estimula o desenvolvimento de pesquisas para entender essa relação e oferecer evidências científicas que possam nortear políticas públicas e estratégias de enfrentamento para o problema.

“É uma vertente que tenta entender a cadeia causal dos transtornos mentais a partir dos determinantes geográficos e geopolíticos”, explica João Mauricio Castaldelli-Maia, professor de psiquiatria no Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC (FMABC) e vice-presidente do grupo de pesquisa da WPS. “Estudos sobre como os quadros de depressão se manifestam em países com invernos muito rigorosos ou com verões muito quentes, por exemplo, já existem há muito tempo. Porém, com as mudanças climáticas, temos um número cada vez maior de pessoas vivenciando essas questões de forma extrema. São terremotos, enchentes, secas, altas temperaturas, uma série de alterações que fazem intersecção também com a psiquiatria social.”

Novo olhar psiquiátrico pelas lentes do clima

Como explicou Maia, estudos que analisam o impacto das condições climáticas sob quadros psiquiátricos não são novidade. Artigos científicos já analisaram no passado o tema por diversos ângulos, desde a relação entre transtornos mentais e ondas de calor em Nova Iorque entre 1950 e 1984 , até a ligação entre quadros depressivos e longos períodos de inverno – para este último caso, há até mesmo uma definição própria: transtorno afetivo sazonal (TAS) descrito pela primeira vez em 1984.

Ocorre que os novos tempos trazem também novos cenários e fatores para serem analisados nos estudos recentes. De acordo com Castaldelli-Maia, uma das questões centrais atualmente é observar como a junção de desigualdade e econômica e social e desastres climáticos intensificam o sofrimento psíquico de quem vive em situação de vulnerabilidade. “Quem mora em uma área inadequada, como as encostas, vai sofrer muito mais no período de chuvas intensas. Assim como quem não tem condições de adquirir um ar-condicionado vai ser mais afetado pelas ondas de calor”, pontua.

Além disso, a globalização, digitalização e maior discussão sobre saúde mental nas últimas décadas também tem tornado o ambiente de pesquisa mais rico, com maior possibilidade para coleta de dados de grandes populações. Nos últimos vinte anos, por exemplo, houve um aumento nos estudos sobre os impactos psiquiátricos das ondas de calor para eventos violentos e hospitalização nas emergências psiquiátricas, assim como aumento de ansiedade e estresse naqueles indivíduos obrigados a migrar em decorrência de desastres naturais – chamados de refugiados climáticos.

“As novas pesquisas estão mostrando esse sofrimento. Antes, tínhamos estudos que mostravam a adaptação a situações climáticas em intervalos maiores, mas agora, estamos falando em um contexto de um novo normal, um novo clima marcado por ondas de calor, de frio, desastres, em um ritmo muito acelerado”, analisa Alfredo Maluf Neto, psiquiatra no Hospital Israelita Albert Einstein.

Ele explica que nenhum ser humano é orgânica e psicologicamente preparado para se adaptar a essas transformações nesse ritmo e pontua que todas essas situações são traumáticas – embora mais para alguns do que para outros.  “Do ponto de vista de estresse, é inegável que as pessoas ficam mais apreensivas, se sentem ameaçadas e isso leva a uma configuração dos mecanismos biológicos que vão ser alavancados como uma cascata e pode chegar a uma situação patológica que afeta a capacidade e a cognição.”

Pesquisadores têm ressaltado a prevalência desse fenômeno principalmente nas gerações mais jovens. Em 2021, um grupo de autores entrevistou 10 mil crianças de dez países – incluindo o Brasil – sobre o que elas pensavam e como se sentiam em relação às mudanças climáticas: 59% dos entrevistados afirmaram estar muito ou extremamente preocupados com este tópico. Mais de 45% afirmaram que os sentimentos sobre o futuro afetam negativamente a sua vida cotidiana e funcionamento, 75% deles acham o futuro assustador e 83% pensam que a população falhou no cuidado do planeta.

“Para essas gerações que estão crescendo agora, a demanda para se adaptar vai ser muito grande. E isso em uma fase de desenvolvimento da vida que já é muito complexa”, diz o psiquiatra do Einstein. “Os indivíduos que já têm mais suscetibilidade para desenvolver transtornos mentais, aqueles que já vivem em situações mais adversas, estarão submetidos ao que chamamos de fatores estressores que, a depender dos mecanismos neurobiológicos envolvidos, podem resultar em um adoecimento precoce.”

Ausência de estratégias de enfrentamento da eco-ansiedade

Diante da iminente crise climática, governos do mundo todo têm se preparado por meio da criação de políticas públicas, estratégias de enfrentamento e planos de prevenção. Entretanto, ainda são poucas as iniciativas que contemplam a necessidade de atenção aos efeitos sobre a saúde mental da população.

No Brasil, o governo atual criou a Secretaria Nacional da Mudança do Clima, que tem entre suas competências coordenar a implementação, o monitoramento e a avaliação do Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima, criado em 2016. A saúde é uma das 11 áreas listadas com metas específicas, que incluem ampliar o acesso e monitoramento de qualidade da água para consumo e a criação de uma rede de pesquisa sobre clima e saúde para ampliação do conhecimento técnico-científico.

Como parte dessa rede, foi criado o Observatório Clima e Saúde, que reúne, entre outras informações, 114 indicadores associados ao impacto climático na água, no ar, nos vetores (insetos e outros animais no ciclo de transmissão de agentes infecciosos ao homem e aos animais domésticos) e nos eventos extremos – que passam também pelos determinantes sociais. Mas não há nenhum indicador sobre saúde mental relacionado.

Para Neto, ainda há uma lacuna estrutural para lidar com os efeitos psicológicos dos eventos climáticos, mesmo em situações de desastre. Ele ressalta que, mais do que ações pontuais diante de um desastre natural, por exemplo, é preciso trabalhar na promoção de saúde mental previamente como parte da estratégia de saúde pública, além do acompanhamento após o evento traumático.

“Precisamos ter uma rede de pessoas capacitadas para lidar com essas situações de desastres. Na pandemia, os governos foram obrigados a olhar para a saúde mental, assim como as empresas e outros setores da sociedade. Recentemente, tivemos enchentes no litoral de São Paulo. Passado o primeiro suporte, como está a saúde mental daquelas pessoas depois de toda aquela tragédia?”, questiona.

Em 2020, pesquisadores publicaram na Front Psychiatry um estudo piloto aberto de intervenção psicossocial para sobreviventes de desastres. A ideia era testar um modelo que, futuramente, pudesse ser estabelecido como padrão internacional no manejo do sofrimento psíquico e problemas de ajustamento enfrentados por populações que vivenciaram traumas dessa natureza. A amostragem foi pequena, com a participação de 15 sobreviventes de incêndios florestais na Austrália, mas os resultados positivos reforçam o potencial de ferramentas de acompanhamento.

Futuro pede olhar para além dos desastres naturais

Por outro lado, as iniciativas de acolhimento psicológico para eventos extremos que não necessariamente cumprem os critérios de desastres naturais, como as ondas de calor ou frio extremo, ainda são limitadas. Neste contexto, em 2020 a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) lançou um guia para profissionais de saúde sobre a relação entre mudança climática e seu impacto em diferentes grupos de doenças, listando as ações necessárias diante de cada uma. O documento salienta que ainda há lacunas na literatura científica no que diz respeito à relação entre mudanças climáticas e transtornos de saúde mental e os medicamentos utilizados nos tratamentos – um chamado para que a comunidade científica una esforços para buscar as respostas para essas questões.

Neto reforça que, embora o caminho seja longo, é preciso começar a olhar para as novas necessidades de saúde mental a partir de uma perspectiva de políticas públicas que passa por educação, adaptação das cidades, prevenção e acolhimento.

“Primeiro, é preciso trazer informação. Sinalizar os impactos que esse cenário de mudanças climáticas pode ter na saúde mental das pessoas. Segundo, precisamos trabalhar, na medida do possível, com a mitigação desses eventos, por meio de ações de preservação do meio ambiente. Por fim, é preciso capacitar os profissionais de saúde no geral, que estarão na linha de frente do contato com a população, seja nos locais de desastres ambientais, seja nas unidades de saúde. Não é algo difícil, é algo que pode ser feito a partir de uma mobilização que inclua as áreas de saúde, meio ambiente e educação”, completa.

Isabelle Manzini

Graduada em jornalismo pela Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Atuou como jornalista na Band, RedeTV!, Portal Drauzio Varella e faz parte do time do Futuro da Saúde desde julho de 2023.

About the Author: Isabelle Manzini

Graduada em jornalismo pela Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Atuou como jornalista na Band, RedeTV!, Portal Drauzio Varella e faz parte do time do Futuro da Saúde desde julho de 2023.

Leave A Comment

Recebar nossa Newsletter

NATALIA CUMINALE

Sou apaixonada por saúde e por todo o universo que cerca esse tema -- as histórias de pacientes, as descobertas científicas, os desafios para que o acesso à saúde seja possível e sustentável. Ao longo da minha carreira, me especializei em transformar a informação científica em algo acessível para todos. Busco tendências todos os dias -- em cursos internacionais, conversas com especialistas e na vida cotidiana. No Futuro da Saúde, trazemos essas análises e informações aqui no site, na newsletter, com uma curadoria semanal, no podcast, nas nossas redes sociais e com conteúdos no YouTube.

Artigos Relacionados

  • Isabelle Manzini

    Graduada em jornalismo pela Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Atuou como jornalista na Band, RedeTV!, Portal Drauzio Varella e faz parte do time do Futuro da Saúde desde julho de 2023.

  • Fabricio Campolina

    Fabricio Campolina é referência no setor quando o assunto é tecnologia, inovação e transformação digital e, atualmente, é presidente da Johnson & Johnson MedTech Brasil. Graduado em ciência da computação pela UFMG, possui ainda especialização em gestão de negócios pelo Ibmec e MBA em administração de negócios pela Duke University, onde se graduou entre os top 10% de sua classe. Foi também presidente do conselho da ABIMED, onde liderou o processo de reposicionamento estratégico da associação, e é membro-fundador do Instituto Coalização Saúde.

  • Redação

    Equipe de jornalistas da redação do Futuro da Saúde.

Isabelle Manzini

Graduada em jornalismo pela Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Atuou como jornalista na Band, RedeTV!, Portal Drauzio Varella e faz parte do time do Futuro da Saúde desde julho de 2023.