Doenças cardiovasculares: novas diretrizes para o diagnóstico na pandemia

Doenças cardiovasculares: novas diretrizes para o diagnóstico na pandemia

A Covid-19 está relacionada a uma série de consequências à […]

By Published On: 27/12/2021
Considerando que cerca de 23% das pessoas adiaram a realização de eletrocardiograma durante a crise sanitária e que 15,5% dos pacientes hospitalizados pelo novo coronavírus possuem alguma doença cardiovascular

A Covid-19 está relacionada a uma série de consequências à saúde, do impacto no diagnóstico precoce ao tratamento de doenças. Diversos levantamentos já apontaram uma redução na busca por exames de rastreamento ou adiamento de consultas devido à pandemia. Isso aconteceu em todas as especialidades, como oncologia e cardiologia, por exemplo. Considerando o novo contexto, a Sociedade Europeia de Cardiologia publicou no European Heart Journal, novas diretrizes para o diagnóstico e tratamento de doenças cardiovasculares durante a pandemia.

O documento foi dividido em duas partes. A primeira tem como objetivo fornecer informações práticas para o diagnóstico de doenças cardiovasculares na pandemia. A segunda parte apresenta orientações para o controle das doenças cardiovasculares em pacientes infectados com a Covid-19.

Covid-19 e o impacto cardiovascular

Na primeira parte do documento, os especialistas reforçam que as condições cardiovasculares são comuns em pacientes com Covid-19 e estão associadas a quadros graves e maior mortalidade por Covid-19.

No que se refere às manifestações cardiovasculares, o documento reforça que as manifestações de longo prazo da doença ainda não estão claras, o que exige um acompanhamento cuidadoso. Entretanto, as consequências mais comuns vistas em pacientes infectados pelo novo coronavírus são:

  • Lesão miocárdica;
  • Arritmias;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Disfunção vascular;
  • Doença tromboembólica (Consequência de quadro grave de infecção).

Para o diagnóstico das condições cardiovasculares em pacientes infectados pelo novo coronavírus, as diretrizes indicam: análise da apresentação clínica (dor no peito ou falta de ar), exames de eletrocardiograma (ECG), biomarcadores cardíacos relevantes e exames de imagem.

Já para o tratamento dos pacientes com essas condições e infectados pelo SARS-CoV-2, os especialistas apontam para a necessidade de fazer a manutenção de medicamentos e atentar-se quanto às interações medicamentosas. Em especial, aquelas com potencial de propriedades pró-arrítmicas. Em complemento, os médicos devem orientar aos pacientes formas de reduzir o risco de transmissão da doença, incentivar um estilo de vida saudável e o controle da doença cardiovascular.

Uso das novas tecnologias para saúde cardiovascular

Na segunda parte do documento, o destaque foi para o manejo e as vias de tratamento de condições cardiovasculares comuns.

Entre as principais recomendações, estão o acompanhamento por telessaúde e o uso de algoritmos para o tratamento para pacientes com suspeita de síndromes coronárias agudas. Nessa questão, a telemedicina pode ser uma aliada contra o aumento de quadros avançados de infarto, AVCs e processos infecciosos. .

Redação

Equipe de jornalistas da redação do Futuro da Saúde.

About the Author: Redação

Equipe de jornalistas da redação do Futuro da Saúde.

Leave A Comment

Recebar nossa Newsletter

NATALIA CUMINALE

Sou apaixonada por saúde e por todo o universo que cerca esse tema -- as histórias de pacientes, as descobertas científicas, os desafios para que o acesso à saúde seja possível e sustentável. Ao longo da minha carreira, me especializei em transformar a informação científica em algo acessível para todos. Busco tendências todos os dias -- em cursos internacionais, conversas com especialistas e na vida cotidiana. No Futuro da Saúde, trazemos essas análises e informações aqui no site, na newsletter, com uma curadoria semanal, no podcast, nas nossas redes sociais e com conteúdos no YouTube.

Artigos Relacionados

Redação

Equipe de jornalistas da redação do Futuro da Saúde.