Congelamento de óvulos avança e atrai perfis diferentes

Congelamento de óvulos avança e atrai perfis diferentes

Mudança no perfil da sociedade, avanço da técnica e acesso são fatores que influenciam o cenário de congelamento de óvulos no Brasil

By Published On: 22/05/2024
Congelamento de óvulos avança no Brasil

Foto: Adobe Stock Image

A gravidez é uma opção, mas o chamado tempo biológico (ou tempo materno) limita a escolha por meio de uma batalha entre tempo e fertilidade. Para que continuem com seu poder de tomada de decisão de dizer ‘quando’ e ‘como’, muitas mulheres estão mais adeptas de técnicas de reprodução assistida. Uma dessas técnicas é o congelamento de óvulos, que cresce no Brasil.

“Acredito que nós estamos vivendo uma nova era em que a evolução dessa vez não é a contracepção, mas sim a preservação da fertilidade”, afirma o Dr. Nathan Ceschin, ginecologista e obstetra, vice-diretor da Feliccita Instituto de Fertilidade. “Hoje o melhor tratamento para assegurar as taxas de gravidez no futuro seria o congelamento de ovos.”  

Dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), compilados a pedido pelo jornal O Globo, mostram que foram realizados 4.340 congelamentos de óvulos em 2023, um aumento de 97% quando comparado aos 2.193 ciclos feitos em 2020, primeiro ano do histórico dos dados. No total, entre 2020 a 2023, foram realizados 13.471 congelamentos.

Esta técnica de reprodução, no entanto, não surge de um hype atual. Ela nasceu para tratar as pacientes oncológicas que ainda tinham vontade de ter filhos algum dia. No Brasil, existe há algumas décadas e o país é considerado até mesmo como um dos precursores. Segundo o ginecologista, o congelamento está em constante evolução por aqui nos últimos 30 anos: “A medicina vai evoluindo tanto como formas de congelamento, mas principalmente meios de cultivo, placas, estufas, todos são instrumentos básicos que trabalhamos na parte do laboratório. O Brasil vem tendo uma norma mundial com qualidade e desenvolvimento técnico e científico e nós estamos muito orgulhosos desses números com a boa prática da reprodução que temos”.

Acesso ao congelamento de óvulos na saúde suplementar e no SUS

A transformação da medicina reprodutiva já foi até mesmo pauta de decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que decidiu em 2023 que as operadoras de saúde passem a custear o congelamento de óvulos de pacientes oncológicos. A infertilidade é um possível efeito colateral para pessoas que passam por radioterapia ou quimioterapia, sendo assim, necessário intervenções médicas para garantir a preservação da capacidade fértil. 

No Sistema Único de Saúde (SUS), não é diferente. Todas as mulheres brasileiras com câncer podem ter acesso ao tratamento de congelamento oncológico pelos Centros de Reprodução Humana Assistida (CRAHs), algo que deve ser tratado com o médico que acompanha o caso.

Um problema frequente ao tratar de Brasil, no entanto, é o acesso aos hospitais e clínicas. São apenas dez unidades do CRAHs aptos para atendimento deste procedimento pelo SUS. A maioria das clínicas de reprodução assistida estão em grandes centros, longe de determinadas partes da população. “Hoje, ainda temos dois estados que não têm [clínicas] de reprodução assistida, e a maioria sendo grandes cidades e capitais. Já tivemos um grande salto em conseguir com que os planos de saúde paguem o tratamento. Nos últimos casos que tivemos, foi 100% do tratamento custeado”, aponta Ceschin.

O valor do procedimento também é um impeditivo para que mulheres no país todo possam escolher realizá-lo. De acordo com as fontes entrevistadas para esta reportagem, o custo do procedimento em si foi de R$ 20 mil reais, com uma taxa anual variando de R$ 1.000 a R$ 1.500 reais para manter o congelamento nas clínicas. Para Ceschin, a popularização do procedimento pode levar a uma diminuição no investimento que deve ser feito por cada paciente.   

Tecnologia e eficácia

Nos primeiros anos da terapia, eram realizados mais os congelamentos de embriões, ou seja, a combinação do espermatozoide com o óvulo fecundado. Porém, no processo de congelamento e posterior descongelamento, havia muitas perdas do material, em torno de 60% nos anos 90. Posteriormente, com estudo, foi descoberto que o processo de vitrificação mantinha os óvulos em melhores condições que as usadas antes. 

“A vitrificação é um congelamento extremamente rápido, onde conseguimos levar a temperatura à -196º C. Aprendemos que mantinha melhor a qualidade do óvulo porque no interior do citoplasma de cada óvulo tem gotículas de água. Digamos que elas ficavam cristalizadas e, dessa maneira, quando descongelávamos perdia-se muito.” Hoje, com esse novo procedimento há uma sobrevida das coletas que variam em torno de 90 a 93%, segundo Ceschin. 

O sucesso dos procedimentos, no entanto, não é uma promessa certeira. Os resultados dependem de diversos fatores, como a quantia de óvulos coletados e suas condições. Ainda que os índices sejam favoráveis, não é possível afirmar que um procedimento médico terá sucesso absoluto. “Nós estimamos que uma paciente que congela em torno de 14-16 óvulos até os 35 anos, tem uma taxa de gravidez de 80-86% no futuro.” 

No relatório da Red Latinoamericana de Reproducción Asistida (REDLARA), organização que credencia clínicas de países da América Latina para procedimentos como o congelamento de óvulos, aponta que foram iniciados 87.732 ciclos de procedimentos de reprodução assistida diversos em 2020. Destes, 46% foram no Brasil. Vale ressaltar que a quantia de ciclos tem impacto direto no tamanho do país. Por cálculo básico de ciclo/milhão, o Brasil é o sexto país latino-americano com maior taxa de ciclos iniciados de reprodução assistida iniciada.  

Em 2020, foram realizados 4.813 procedimento de preservação da fertilidade, o congelamento de óvulos. Este é o terceiro procedimento mais realizado por brasileiras, o primeiro é a iniciação de novos ciclos autólogos de fertilização pela técnica do in vitro ou do ICSI, via injeção intracitoplasmática de espermatozoides. Segundo o relatório, após a remoção dos ciclos de congelamento, a taxa de entrega/resultado foi de 14,8% para injeção intracitoplasmática de espermatozoides e 15,6% para fertilização in vitro.  

Foto: Reprodução/Red LARA.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a maior porcentagem de partos com nascidos vivos ainda é de mulheres entre 25 a 29 anos, com 638.303 nascimentos. Ainda assim, desponta na terceira posição, atrás da faixa de 20 a 24 anos, as mulheres que estão tendo seus filhos após os 30 anos. Foram 532.722 crianças em 2022. O número de mulheres que parem após os 35 anos também é representativo: 342.120 nasceram dessas mulheres.

De 2020 a 2022, as faixas etárias de mulheres entre 40 a 44, 45 a 49 e acima de 50 anos foram as únicas que aumentaram. A primeira saiu de 92.066 nascimentos em 2020 para 99.843 em 2022, um aumento de 8,4%. As faixas mais novas diminuíram na comparação entre 2020 e 2022, o que corrobora com a tendência de menos nascimentos e envelhecimento da população.

Dentro do consultório

Rui Ferriari, professor e coordenador do Centro de Reprodução Humana do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto, integra um dos primeiros serviços públicos a oferecer o procedimento de congelamento de óvulos no Brasil.

Ele comenta sobre estudos e novas pesquisas entre possibilidades de gravidez para mulheres que escolhem esperar ou recorrem a métodos de reprodução assistida. Um deles é o congelamento de tecido ovariano. “O problema são os resultados disso que ainda é um número de nascimentos pequeno”, esclarece. Outro é o rejuvenescimento ovariano. “Há algumas tentativas com injeção de células-tronco dentro do ovário e outras substâncias. Isso é considerado experimental e não se pode prometer um sucesso em relação a isso”, comenta o professor. 

Segundo Ferriari, antes de tentar fazer um congelamento, a gravidez natural sempre é o melhor caminho. Por isso, além de considerar os planos anticoncepcionais, ele também aconselha pacientes a pensarem sobre seu futuro reprodutivo desde cedo. O congelamento de óvulos pode surgir como um plano B. “Não existe nenhum tipo de estudo que vai definir a melhor idade. Tem cálculos que dizem que 37 anos é razoável, mas você pode ter mulheres com menos probabilidade, perdas ovarianas mesmo antes disso. O que falamos é que não é preservação de fertilidade, é um aumento de chances de engravidar”, completa.

Por isso, cada caso é um caso e deve ser acompanhado por médico especializado. Contudo, há dois fatores que médicos concordam: a qualidade dos óvulos é mais garantida quando a paciente é jovem e quanto maior a quantidade de óvulos, melhor. O doutor levanta um ponto de atenção para condições de saúde que podem alterar a experiência de uma paciente, como o ovário policístico e a endometriose. No caso desta última, existem pacientes que obtêm sucesso no procedimento, mas passam por maior instabilidade. “A paciente mais difícil para nós é com endometriose, pois têm chance de comprometimento da sua reserva ovariana. Se a doença pega o ovário, ela tem mais chance de ter uma resposta ruim ao fazer uma fertilização in vitro ou um congelamento.” 

O ovário policístico acontece de outra forma. Como ele é um distúrbio que afeta o tamanho dos ovários, acaba contribuindo no momento de realizar um procedimento como o congelamento, porque ele produz muitos óvulos. Da mesma forma acontece para pacientes que fazem qualquer tipo de intervenção médica na região dos ovários: “Paciente que, por exemplo, vai fazer alguma cirurgia de ovário, principalmente que tenha endometriose, tem risco de lesionar o ovário e afetar sua reserva. Sempre discutimos isso antes de operar porque depois que opera ela pode ter um comprometimento da função.”

Perfil de quem faz

Segundo Ceschin, a partir dos 35 e, ainda mais provavelmente, a partir do 38 anos existe uma queda de qualidade dos óvulos e a melhor maneira de preservá-los seria congelando o próprio óvulo na tentativa de ser mãe: “A nossa geração e essa que está chegando têm mais comunicação, mais acesso às tecnologias e são quem mais buscam postergar a maternidade. O congelamento de óvulos de maneira social é a paciente que já tem até seus 35 ou 36 anos e não pretende ser mãe a curto ou médio prazo e assim congela.” 

Em relatório da RedLARA, o perfil indica que a maioria delas realiza o procedimento entre 35 a 37 anos:  

Foto: Reprodução/Red LARA.

Natália foi uma das mulheres que decidiu fazer o congelamento de óvulos na faixa etária de 35 a 37. “Eu já tinha isso na cabeça de que provavelmente queria fazer, porque sempre tive pensamentos ambivalentes em relação a engravidar. Chegou os 35 e eu não tinha decidido ainda, não sabia para que lado eu ia ou não. Aí eu pensei: ‘bom, não dá para adiar mais, vou congelar para não ficar pensando tanto nisso’. Não adiantou, continuo pensando, mas pelo menos eu tenho esse seguro”, conta a servidora pública de 37 anos. 

Ela começou a se organizar e ir em consultas com o médico no final de 2021, mas o processo acabou demorando um pouco mais que o esperado para ser realizado. Seu médico a orientou que o procedimento deveria começar após ela parar com a pílula anticoncepcional, prática de anos, e menstruar, o que demorou algum tempo até que o corpo voltasse à sua condição natural. “Depois disso, foi mais rápido do que eu imaginava, mas um pouco mais dolorido do que me falavam. Você precisa tomar remédio para os óvulos e eu fiquei com muita dor, parecia que eu tinha bolas de tênis dentro de mim.”

No meio do caminho, Natália também descobriu que tinha ovário policístico, uma condição que tornou o processo ainda mais dolorido e desconfortável para ela. Os medicamentos tomados antes da coleta é para que tenha a maior quantidade de óvulos possíveis disponíveis para serem retirados. “Eles foram bem realistas, falaram que não quer dizer que vai dar certo a fertilização depois, até depende da idade que eu tiver também para gravidez, não é só porque está congelado que eu posso ter 70 anos e querer engravidar que não dá certo.” 

Para Mariana, de 31 anos, a situação foi outra. Com 12 anos, teve um tumor benigno de ovário e operou do lado direito. Anos depois, com 26 anos, descobriu que o tumor estava no ovário esquerdo também e precisou operar. Para reservar sua possiblidade de gerar um filho no futuro, fez o congelamento de óvulos na época. “Na época não era casada, eu não tinha companheiro, estava na minha vida louca de solteira, mas não dava para ficar brincando também. Pensei: vou fazer.”

Assim como Natália, o processo de congelamento não foi tão fácil. A experiência para cada paciente pode mudar, mas para algumas os efeitos colaterais e incomodo podem ser mais acentuados que para outras. Ela, que é ginecologista, conta que sofreu bastante durante o processo e teve complicação da síndrome de hiper estimulação ovariana, o que a fez parar de trabalhar por um tempo até passar por todo o processo. “São muitas injeções, hormônio, o cabelo cai, fiquei com o humor péssimo. Se o aspirador estivesse ligado, eu queria morrer e eu sou uma pessoa calma. Não se fala do quão estressante é passar isso”. Mariana conta que, pelo processo inteiro, tomou aproximadamente 14 injeções no total, além de ter feito a coleta sedada e de 16 óvulos terem sido coletados, mas que com a perda de dois, ficaram 14 congelados. 

Apesar das dificuldades, a opinião de Natália e Mariana, que vivem em contextos diferentes do congelamento, são parecidas: o procedimento representa uma segurança para quem faz, seja em termos médicos de alguém que precisou fazer o congelamento, como alguém que o escolheu. “Eu recomendo se a pessoa tem condição financeira de fazer, isso é uma segurança. Eu acho que é uma tranquilidade a mais para a gente”, conta Mariana. 

Isabella Marin Silva
Isabella Marin

About the Author: Isabella Marin

One Comment

  1. Guilherme Pereira Bezerra da Rocha 22/05/2024 at 17:48 - Reply

    Matéria muito interessante e muito bem escrita!

Leave A Comment

Recebar nossa Newsletter

NATALIA CUMINALE

Sou apaixonada por saúde e por todo o universo que cerca esse tema -- as histórias de pacientes, as descobertas científicas, os desafios para que o acesso à saúde seja possível e sustentável. Ao longo da minha carreira, me especializei em transformar a informação científica em algo acessível para todos. Busco tendências todos os dias -- em cursos internacionais, conversas com especialistas e na vida cotidiana. No Futuro da Saúde, trazemos essas análises e informações aqui no site, na newsletter, com uma curadoria semanal, no podcast, nas nossas redes sociais e com conteúdos no YouTube.

Isabella Marin Silva
Isabella Marin