Home Sua saúde Autoteste da Covid-19: como funciona e o que falta para a liberação...

Autoteste da Covid-19: como funciona e o que falta para a liberação do teste

Após solicitação do Ministério da Saúde, Anvisa discutiu sobre a autorização dos autotestes da Covid-19. Entretanto, faltam informações para a liberação.

               
148

Nesta quarta-feira (19), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) discutiu sobre a liberação da venda do autoteste da Covid-19 para a população. A medida foi solicitada pelo Ministério da Saúde, no dia 13 de janeiro deste ano. Entretanto, a agência optou por adiar a decisão, até que se tenha mais informações sobre esse tipo de teste.

Aprovado nos Estados Unidos e no Reino Unido, nesta forma de testagem o paciente é o responsável por realizar e interpretar o resultado. Pensando nisso, a Anvisa defende que a comercialização deste tipo de exame deve ser pensada como parte de uma política pública de saúde – que deve ser feita pelo Ministério da Saúde –, visto que a autorização do teste impactará os rumos da pandemia no Brasil.

Segundo a Globonews, a agência de saúde está inclinada a aprovar o autoteste, desde que o Ministério da Saúde responda às seguintes questões:

  • Por que uma política pública não destina testes suficientes à demanda gerada pela ômicron?
  • Quando o teste der positivo, a pessoa deve notificar qual órgão? Volta à farmácia, com risco de contaminar mais gente?
  • Precisa fazer outro teste para comprovar o positivo?
  • Qual a regra pra quem teve contato com positivados?
  • Onde deve ser depositado o lixo dos autotestes?

Entre outros pontos a serem esclarecidos, está o desafio de como educar as pessoas sobre o uso das tecnologias, visto que estas devem aumentar a simplicidade e ampliar o acesso para quem não é profissional da saúde. Junto a isso, torna-se necessário estabelecer critérios de segurança para garantir a qualidade dos produtos, para a realização e eficácia do teste. A entidade pública possui 15 dias para enviar as informações que faltam.

Como funciona o autoteste

A proposta do autoteste da Covid-19 é que o exame possa ser feito em casa. Assim, a amostra deve ser coletada e interpretada pelo usuário, como já acontece com testes de diabetes, gravidez e HIV.

Mas, no que se refere aos coronavírus, a ideia é que o paciente passe por cinco etapas na realização do teste. A primeira consiste na coleta da secreção do nariz ou da boca, realizada com o auxílio de um cotonete. A seguir, é necessário introduzir a amostra em um processo químico e então colocar para testagem. Em até 30 minutos, o equipamento deve indicar se o resultado é positivo ou negativo para o vírus.

O que dizem os especialistas

Na solicitação enviada à Anvisa, o Ministério da Saúde afirma que o objetivo do autoteste da Covid-19 é de expandir a Ação Testa Brasil. O que deve permitir o autoteste rápido de antígeno, tanto para pessoas sintomáticas, quanto assintomáticas, “com foco na monitorização de situação epidemiológica e direcionar os esforços na contenção da pandemia no território nacional”.

Entretanto, para que o autoteste realize corretamente essa função, é necessário que a população seja bem instruída quanto ao seu uso, além das medidas a serem tomadas após o diagnóstico.

Para a diretora da terceira diretoria da Anvisa, Cristiane Jourdan – que votou pela liberação do autoteste –, “é necessário que o Ministério da Saúde estabeleça como se dará a notificação dos casos confirmados a partir do uso de autotestes”, afirmou. Jourdan continua, explicando que “a estratégia de testagem deve ser definida no âmbito de política nacional com propósitos claramente definidos, dentre os quais a importância de rastreamento de contatos para interromper a transmissão e campanhas. Uma vez que o usuário leigo precisa de suporte, para saber a forma correta de execução do autoteste e o que precisa ser executado para um resultado seguro”.

Na visão de Soraya Smaili, farmacêutica e professora de Farmacologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), “O intenso movimento nos hospitais e postos de saúde, junto ao crescente número de casos positivados de coronavírus demanda a aprovação urgente dos autotestes de Covid-19. Eles são muito importantes para auxiliar na reorganização do sistema de saúde e evitar qualquer risco de colapso”.

De onde surgiu a proposta

O debate sobre os autotestes foi levantado devido ao aumento de cerca de 655% nos casos de Covid-19 e 270% de Influenza, segundo dados da Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP), disponibilizados no início de janeiro. Além disso, o surgimento da variante ômicron e do Influenza H3N2 tornou ainda mais difícil a diferenciação entre os quadros clínicos.

Por este motivo, a busca por testagem aumentou. Como exemplo desse cenário, a empresa Vyttra Diagnósticos, que fabrica e distribui equipamentos para o mercado de diagnósticos, registrou aumento na demanda dos testes rápidos em cerca de 150 vezes, durante dezembro de 2021 (quando comparado ao mês anterior). Isso porque o teste é capaz de detectar Covid-19, Influenza A e Influenza B. Nos testes rápidos, a coleta e a interpretação dos resultados é de responsabilidade da farmácia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui