As crianças e a carga viral de coronavírus

Com base nessas novas descobertas, os cientistas sugerem que não se deve descartar a possibilidade de que as crianças sejam potenciais propagadoras do coronavírus

231

Faz tempo que se discute qual o papel das crianças na pandemia. Agora, um estudo publicado recentemente na revista científica Journal of Pediatrics, apontou que as crianças podem ter uma carga viral mais alta que a dos adultos (apesar de não necessariamente apresentarem sintomas). Arraste para o lado

O estudo envolveu 192 pessoas, de bebês a pessoas de 22 anos de idade. A idade média foi de 10 anos. Destes, cerca de um quarto tinha recebido um diagnóstico de SARS-CoV-2.

As amostras colhidas a partir das vias aéreas mostraram que pacientes pediátricos tinham carga viral significativamente maior do que adultos hospitalizados com covid-19 grave. Acredita-se que isto é importante porque o risco de transmitir o coronavírus a outra pessoa é maior se a carga viral é mais elevada.

“Não esperava que a carga viral fosse tão elevada. Você pensa em um hospital e em todas as precauções tomadas para tratar adultos gravemente enfermos, mas as cargas virais desses pacientes hospitalizados são significativamente mais baixas do que uma ‘criança saudável’ que anda por aí com uma alta carga viral de SARS-CoV-2 “ disse Lael Yonker, principal autor do estudo, ao MNT.

Além disso, das crianças com covid-19 confirmado, apenas metade apresentou febre, sugerindo que os médicos podem perder alguns diagnósticos em pacientes mais jovens.

Com base nessas novas descobertas, os cientistas sugerem que não se deve descartar a possibilidade de que as crianças sejam potenciais propagadoras do coronavírus, apesar de algumas evidências anteriores já terem sugerido o contrário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui