Alma Sírio-Libanês: nova marca promoverá inovação aberta para startups

Alma Sírio-Libanês: nova marca promoverá inovação aberta para startups

O Hospital Sírio-Libanês anunciou na quarta-feira (30) o lançamento de […]

By Published On: 02/12/2022
Hospital Sírio-Libanês lança vertical de tecnologia, inovação e incubação de startups.

O Hospital Sírio-Libanês anunciou na quarta-feira (30) o lançamento de uma marca para incentivar o desenvolvimento de tecnologia e inovação para a saúde. A Alma Sírio-Libanês nasce para suprir demandas internas do hospital, trabalhando diretamente com as diferentes unidades de negócios e criando produtos que podem extrapolar os muros e chegar ao mercado – passando a ser também um prestador de serviços.

Para isso, o novo projeto conta com 250 colaboradores das mais diferentes áreas da tecnologia, como dados, cybersegurança e design de produtos. Com um modelo de open innovation por trás da marca, a Alma pretende trabalhar também junto com startups, que poderão utilizar a equipe de inovação, testar e aplicar o seu produto no próprio hospital.

“Usamos a nossa experiência em metodologia ágil para criar esse modelo de inovação. Conseguimos fazer uma imersão com a startup e em 90 dias ter o produto funcionando e colocando em produção. A expectativa de 2023 é incubar de 4 a 8 startups, sempre tendo o olhar cuidadoso de que elas estejam acelerando uma unidade de negócio nossa”, explica Diego Aristides, Chief Technology Officer do Sírio.

A vertical, que pretende investir 200 milhões de reais até 2030, já conta com escritório próprio fora do ambiente do hospital. Além das healthtechs, a Alma pretende trabalhar também com as deep techs e biotechs, buscando soluções para os problemas internos do hospital. O primeiro chamamento deve ocorrer entre fevereiro e março do próximo ano.

Atentos à evolução do mercado, a mudança da forma como os pacientes acessam o hospital e a redução de custos e desperdícios da saúde, a ideia da Alma é impulsionar a saúde digital e atrair novos talentos, que antes não viam o ambiente hospitalar como um mercado tech.

“Nós definimos que a Alma Sírio-Libanês é uma vertical de inovação de tecnologia e dados de saúde, que se propõe a acelerar o desenvolvimento e a incorporação de novos produtos no setor, mas aliado às necessidades e desejos dos consumidores, cada vez mais digitais”, afirma Christian Tudesco, que é Chief Marketing Officer do hospital.

Expertise em tecnologia da Alma Sírio-Libanês

A equipe de inovação e tecnologia já construiu internamente ferramentas que trouxeram avanços ao hospital. É o caso de uma tecnologia para diminuir a ausência de pacientes em exames agendados. Através de algoritmos de machine learning, que analisam dados e constroem um perfil dos pacientes mais propensos ao não comparecimento, o hospital consegue se antecipar e criar uma estratégia para reverter a situação. Assim, houve uma redução de 30% do no show, o que contribui com uma maior eficiência dos equipamentos que ficariam sem uso.

Contudo, existem casos em que a cocriação de produtos se faz necessária, unindo forças e interesses. “O modelo de open innovation é justamente porque a gente sabe que por mais que tenhamos pessoas capacitadas para construir coisas, nunca vamos conseguir atender todas as demandas. Existem startups trabalhando naqueles desafios, mais avançadas que a gente e pretendemos trabalhar em conjunto”, explica Ailton Brandão, Chief Information Officer do Sírio-Libanês.

De acordo com os representantes da instituição, o diferencial da Alma está exatamente aí: não ser apenas uma incubadora de startups, mas trabalhando em tecnologias próprias e oferecendo ao mercado. Ainda, é possível ganhar escala, já que o próprio hospital é o primeiro cliente a testar e utilizar as tecnologias, com suporte de 9 mil colaboradores e corpo clínico.

A proximidade dos profissionais do hospital com a equipe de tecnologia é essencial para construir a metodologia que torna um produto viável em 90 dias em parceria com uma startup, explica o CTO, Diego Aristides: “Isso acontece com facilidade porque o nosso time de saúde (médicos, equipe de enfermagem, fisioterapia, etc) atua junto com a startup. Destacamos uma pessoa que conhece muito do tema e fica dedicada ao trabalho com a startup. Vamos ao mercado buscar startups que possam ajudar a gente a resolver as nossas dores e apoiar as nossas unidades de negócios”.

O olhar para as healthtechs também passa por uma análise de mercado, já que elas têm ganhado cada vez mais visibilidade dentro e fora da saúde. Christian Tudesco, CMO do Sírio-Libanês, lembra que o número de empresas dessa categoria cresceu 15% entre 2019 e 2022, movimentando R$ 1,79 bilhões em fusões e aquisições, de acordo com levantamento da Liga Ventures, em parceria com a PwC Brasil. “A gente sabe que a inovação é um fator determinante para vários setores, mas ela vai ser cada vez mais determinante para a saúde no Brasil”.

Case com a Sofya

Antes mesmo da Alma, o Sírio-Libanês já vinha trabalhando em parceria com uma startup. A Sofya, empresa focada em tecnologia de voz, desenvolveu em parceria com o hospital uma plataforma para agilizar o preenchimento de documentação clínica através de inteligência artificial. Com isso, é possível que os dados dos pacientes sejam coletados com 40% mais rapidez, prometendo uma melhor acurácia e eficiência.

“O Sírio-Libanês é o primeiro cliente. Isso para uma startup que vai para o mercado e fala que foi incubada aqui e o hospital está usando o produto dela, tem muito valor. Já vemos a Sofya iniciando as conversas e já fechando os primeiros contratos com alguns parceiros. Por onde andamos por eventos, congressos e reuniões, o nosso time comercial também ajuda as startups incubadas”, aponta Diego Aristides, CTO do hospital.

A startup também já possui projetos pilotos em outros hospitais, atualmente em prova de conceito (PoC), demonstrando a efetividade do produto. A experiência serviu de base para mostrar que o modelo da Alma Sírio-Libanês era efetivo e poderia funcionar com outras demandas e empresas, atendendo às necessidades do hospital.

A equipe da Alma pretende ter uma atuação ativa na criação de soluções de inovação. Recentemente, em parceria com a operadora de telefonia TIM e a Deloitte, entrou em testes uma ambulância 5G, utilizando a mais nova conexão de internet, comunicando a equipe do hospital em tempo real o que está acontencendo com o paciente transportando. O projeto mostra o engajamento e atualização junto às mais novas tecnologias disponíveis.

Com isso, o trabalho junto às startups deve ser bem próximo e com o diálogo no mesmo ponto da linguagem, já que ambos os players estão envolvidos com o mundo tech e contam com profissionais dedicados. “O nosso objetivo é cocriar startups, ganhar escala e ir ao mercado com elas. Seremos sócios das startups incubadas aqui no hospital. O Alma é uma marca de tecnologia, inovação e dados que, no futuro, pode vir a ser uma business unit e ter receita própria, porque vamos realmente comercializar produtos digitais”, analisa Diego.

Rafael Machado

Jornalista com foco em saúde. Formado pela FIAMFAAM, tem certificação em Storyteling e Práticas em Mídias Sociais. Antes do Futuro da Saúde, trabalhou no Portal Drauzio Varella. Email: rafael@futurodasaude.com.br

About the Author: Rafael Machado

Jornalista com foco em saúde. Formado pela FIAMFAAM, tem certificação em Storyteling e Práticas em Mídias Sociais. Antes do Futuro da Saúde, trabalhou no Portal Drauzio Varella. Email: rafael@futurodasaude.com.br

Leave A Comment

Recebar nossa Newsletter

NATALIA CUMINALE

Sou apaixonada por saúde e por todo o universo que cerca esse tema -- as histórias de pacientes, as descobertas científicas, os desafios para que o acesso à saúde seja possível e sustentável. Ao longo da minha carreira, me especializei em transformar a informação científica em algo acessível para todos. Busco tendências todos os dias -- em cursos internacionais, conversas com especialistas e na vida cotidiana. No Futuro da Saúde, trazemos essas análises e informações aqui no site, na newsletter, com uma curadoria semanal, no podcast, nas nossas redes sociais e com conteúdos no YouTube.

Artigos Relacionados

Rafael Machado

Jornalista com foco em saúde. Formado pela FIAMFAAM, tem certificação em Storyteling e Práticas em Mídias Sociais. Antes do Futuro da Saúde, trabalhou no Portal Drauzio Varella. Email: rafael@futurodasaude.com.br