Alimentação rica em frutose pode prejudicar sistema imunológico

No estudo, realizado com camundongos, foi observado que o consumo diário dessa substância causou uma inflamação visível em determinadas células da medula óssea

               
196

Açúcar do tipo frutose pode prejudicar o sistema imunológico e impulsionar inflamações, se consumido em excesso, segundo estudo publicado na revista Nature Communications. O estudo foi realizado pela Bristol Medical School e pela Swansea University’s Medical School, no Reino Unido.

Problemas de saúde como diabetes tipo 2, obesidade e doença hepática gordurosa não alcoólica são, normalmente, associadas a uma alimentação diária rica em açúcar. Os riscos de adquirir essas doenças aumenta caso o consumo de industrializados seja frequente.

A frutose é um tipo de açúcar de molécula simples (monossacarídeo). Normalmente chamada de “açúcar da fruta”, porque é encontrada em frutas e outros vegetais, como maçãs, cana-de-açúcar, milho e entre outros. É um dos açúcares mais doces que existe e seu xarope é frequentemente usado em alimentos processados, mesmo possuindo menos vitaminas do que os outros.

No estudo, realizado com camundongos, foi observado que o consumo diário dessa substância causou uma inflamação visível em determinadas células da medula óssea.

Isso ocorreu porque a frutose impulsiona um processo que gera energia para ativar células inflamatórias e, como consequência, o sistema imunológico começa a agir, causando reações como febre e vasodilatação, mesmo sem ter um invasor para combater.

A frequência desses pequenos processos de inflamação é associada à
obesidade, que elevam a produção de células do tecido adiposo. Além disso, cria uma certa resistência à insulina e, consequentemente, leva a um quadro de diabetes tipo 2.

No caso da doença hepática gordurosa não alcóolica, que prejudica o fígado pelo acúmulo de gordura, a frutose pode ser a responsável por impulsionar esse acúmulo.

Contudo, o estudo indica que nem tudo é prejudicado no sistema imunológico. O grande alvo da frutose são os monócitos cobertos por uma endotoxina LSH, cuja função é combater corpos invasores, como vírus e bactérias. Já as células T, responsáveis por gerar anticorpos no corpo, não são afetadas.

As novas observações não são suficientes para chegar a uma conclusão definitiva, mas os pesquisadores defendem que o estudo pode levar a descobertas de novas terapias em doenças infecciosas e câncer.

Além disso, pode ajudar a entender quais componentes da rotina alimentar estão causando doenças e inflamações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui