A saúde mental pós-covid

Pesquisadores têm apontado para um aumento no surgimento de transtornos mentais por causa da pandemia de coronavírus

315

Os pesquisadores têm apontado para um aumento no surgimento de transtornos mentais por causa da pandemia de coronavírus. Tanto que no mundo da saúde mental fala-se que os problemas psiquiátricos virão como uma nova onda pós-covid.

Um estudo publicado recentemente na plataforma medRxiv, que ainda não foi revisado por pares, apontou que, a cada 16 pacientes com covid-19, um poderá ser diagnosticado uma doença mental três meses após a infecção pelo vírus. O levantamento considerou dados de 62.000 sobreviventes da covid-19.

O risco é cerca de duas vezes maior do que o esperado e é ainda maior entre pacientes que foram hospitalizados, disse o líder do estudo Maxime Taquet, da Universidade de Oxford, à Reuters. Ansiedade foi o transtorno mais comum, mas depressão, insônia e, raramente, demência, também foram vistos, segundo ele.

O estudo também encontrou taxas de covid-19 mais altas do que a média em pessoas com um diagnóstico psiquiátrico anterior. A mensagem é: “Se você sentir ansiedade, mau humor, insônia ou perda de memória após covid-19, você deve consultar um profissional, pois pode haver maneiras de melhorar esses sintomas”, disse Taquet.

De acordo com um levantamento feito pelo STAT com especialistas na área, 1 em cada 3 pacientes que se recuperam de covid-19 podem ter sequelas neurológicas ou psicológicas de suas infecções. É crescente o consenso de que a doença pode ter um impacto duradouro no cérebro. Além da fadiga após a recuperação, esses problemas neuropsicológicos variam de dor de cabeça, tontura e perda prolongada de olfato ou paladar a distúrbios de humor e comprometimento cognitivo mais profundo.

“Nós diríamos que talvez entre 30% e 50% das pessoas com uma infecção que tem manifestações clínicas vão ter algum tipo de problema de saúde mental”, disse Teodor Postolache, professor de psiquiatria da Escola de Medicina da Universidade de Maryland, ao STAT. “Isso pode ser ansiedade ou depressão, mas também sintomas inespecíficos que incluem fadiga, sono e anormalidades da vigília, uma sensação geral de não estar no seu melhor, não estar totalmente recuperado em termos de capacidade de desempenho acadêmico, ocupacional e potencialmente físico.”

Ainda é cedo para dizer exatamente qual a frequência dessas consequências, quanto tempo elas duram e se são passageiras ou permanentes. Os médicos e cientistas ainda estão compreendendo a doença e as possíveis sequelas a longo prazo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui